Chacal egípcio é na verdade um lobo..

Facebook Twitter Email Pinterest Plusone Linkedin Digg Delicious Reddit Stumbleupon Tumblr Posterous

O chacal egípcio, que foi a inspiração para o deus egípcio Anúbis, na verdade não é um chacal, mas sim um membro da família dos lobos. As novas pesquisas genéticas na revista aberta “PLoS ONE” acha que o chacal egípcio é apenas membro da família dos lobos cinzentos da África. O novo lobo, apelidado pelos pesquisadores como o Lobo-Africano, é mais estreitamente relacionado com o lobo do Himalaia.

“Nós quase não podiamos acreditar em nossos próprios olhos quando encontramos o DNA do lobo que não encontrou nada no GenBank”, disse o autor do estudo, Dr. Eli Rueness, em um comunicado de imprensa. GenBank é um banco de dados de nucleotídeos de acesso aberto. Os dados genéticos também apontam para uma origem primitiva do chacal egípcio / Lobo-Africano. De fato, os pesquisadores acreditam que o animal é mais velho do que os lobos bem conhecidos do hemisfério norte. Segundo o estudo, lobos da Índia, Himalaia e o novo Lobo-Africano, separaram-se do lobo cinzento, colonizando a Europa, norte da Ásia e das Américas, subdividindo em sub-espécies diferentes. Lobos da Etiópia, que são uma espécie única de canídeos, são mais antigos ainda.

 

Suspeitado por alguns biólogos, a investigação genética mostrou que o chacal egípcio é na verdade um lobo.

 

O estudo não parecem fazer uma recomendação se este novo lobo devem ser ou não considerado uma espécie única ou outra subespécie do lobo cinzento (Canis lupus). No entanto, o novo Lobo-Africano é classificado e pesquisadores argumentam que a descoberta deve mudar a forma como o animal é visto. Os autores chamam para o Lobo-Africano a fim de ser apreciado individualmente, especialmente considerando a evidência de que o animal é raro. O animal não é protegido no Egito e é frequentemente perseguido, pois é considerado uma ameaça para o gado.

Em uma boa notícia, os pesquisadores descobriram que o Lobo-Africano, previamente conhecido como o chacal egípcio, está realmente presente no planalto etíope, expandindo sua área de distribuição conhecida consideravelmente. “Este estudo mostra as vantagens das modernas técnicas de genética: quebra-cabeças de idade podem ser resolvidos”, Nils Chr. Stenseth, Presidente do Centro Ecológico e Síntese Evolutiva (CEES) e um dos autores do papel.

Fonte: http://news.mongabay.com


Links Relacionados, Confira..


avatar

Sobre Administrador

Natural de Criciúma – SC, Pós-Graduado em História pela UNIASSELVI – SC, com ênfase no Antigo Egito. Escritor do Livro "A Lei do Sofrimento". Apaixonado pelo Antigo Egito e com planos de em breve estar definitivamente morando/trabalhando no Egito.