A Cerveja no Antigo Egito

A cerveja era parte da dieta cotidiana dos faraós egípcios há mais de 5.000 anos. Ela era apreciada por adultos e crianças. O uso da cerveja na sociedade egípcia, no entanto, ia muito além do que apenas como bebida. Muitas vezes, era prescrita para tratar várias doenças. Considerava-se a cerveja o presente mais adequado para se dar aos faraós egípcios e também era oferecida aos deuses.

A importância da fabricação da cerveja era tal que os escribas tinham hieróglifos específicos para se referir a cervejeiro e cerveja. Através da escrita desses hieróglifos, os arqueólogos conseguiram traçar as raízes da cerveja no antigo Egito. Havia também muitas representações nas paredes das tumbas acerca dela, e por isso sabemos que a cerveja era importante tanto para os vivos quanto para os mortos, no pós-vida.

 

Hieróglifos Egípcios / Transliteração e Tradução (Clique na imagem para amplia-la)

 

Cada templo possuía uma cervejaria e uma padaria, que produziam muitas quantidades de cerveja e pão ofertados aos deuses. A cerveja era armazenada em jarros e segundo alguns estudiosos seria parecida com a cerveja que é produzida no Sudão. Os “canudos” foram usados nessa época para evitar que os resíduos da cerveja ficassem na boca, por serem amargos. Veja abaixo uma pintura que mostra bem a utilização de canudos.



Mercenário Sírio tomando cerveja ao lado de sua esposa egípcia e seu filho – Pintura datada da 18ª dinastia.



Escavações próximas à Grande Pirâmide no complexo de Gizé revelaram que padarias e cervejarias foram instaladas ali, porque tanto o pão quanto a cerveja eram necessários para os trabalhadores que construíram as pirâmides, já que, segundo algumas teorias, frequentemente eles eram pagos com pão e cerveja. O processo de fabricação de cerveja era algo simples. Deixava-se o grão da cevada ao sol até que germinasse, depois ele era esmagado e virava o malte, que por sua vez era misturado com farinha de pão. Depois, água era adicionada a essa mistura que, logo em seguida, era posta no fogo até que estivesse no ponto para depois ser filtrada e armazenada.


Provérbio Egípcio datado de 2200 a.C no templo dedicado a deusa Hathor em Dendera.

A boca de um homem perfeitamente contente está repleta de cerveja.

 

Quer mais livros sobre o tema? Clique aqui.

Artigos, teses e matérias sobre o antigo Egito? Clique aqui.

 

Autor: Lucas Ferreira



Fontes / Referências:

– BAINES, John; MALIK, Jaromir. Cultural Atlas of Ancient Egypt. London: Andromeda Oxford Limited, 2008.

– HART, George. The British Museum Pocket Dictionary of Ancient Egyptian Gods and Goddesses. British Museum Press, 2001.

– MCDONALD, Angela. The Ancient Egyptians: Their Lives and Their World. Published by The British Museum Press, 2008.

– MILLARD, Anne. The Egyptians (Peoples of the past). London: MacDonald & Company, 1975.

– MORLEY, Jacqueline; SALARIYA, David. How Would You Survive As an Ancient Egyptian?.  London: Orchard/Watts Group, 1999.

– SHAW, Ian. The Oxford Illustrated History of Ancient Egypt. Oxford: Oxford University Press, 2000.

Sites / Referências:

http://www.reshafim.org.il/ad/egypt/

http://www.oxfordexpeditiontoegypt.com/

http://scriptorium.lib.duke.edu/papyrus/

avatar

Sobre Administrador

Natural de Criciúma – SC, Graduado e Pós-Graduado em História pela UNIASSELVI – SC, com ênfase no Antigo Egito. Apaixonado pelos antigos egípcios e com planos de em breve estar definitivamente morando/trabalhando no Egito.