Início Antigo Egito Faraós Negros

Faraós Negros

110
35
COMPARTILHAR

No ano de 730 a.C., um homem chamado Piye chegou à conclusão de que a única maneira de salvar o Egito de si mesmo era invadi-lo. E muito sangue iria correr antes de chegar o momento da redenção. “Preparem as melhores montarias de seus estábulos”, ordenou ele a seus comandantes. A magnífica civilização que construíra as grandes pirâmides havia perdido o rumo, destroçada por medíocres chefes guerreiros.

Durante duas décadas, Piye estivera à frente do próprio reino na Núbia, um trecho da África situado quase todo no atual Sudão. Mas ele também se via como o verdadeiro Senhor do Egito, o legítimo herdeiro das tradições espirituais mantidas por faraós, como Ramsés II e Tutmés III. Como Piye provavelmente jamais colocara de fato os pés no Baixo Egito, houve quem não levasse a sério suas reivindicações. Agora, contudo, Piye iria testemunhar com os próprios olhos a submissão do Egito decadente.

Suas tropas seguiram para o norte, navegando pelo rio Nilo. E desembarcaram em Tebas, capital do Alto Egito. Convencido de que havia uma maneira apropriada de travar guerras santas, Piye ordenou aos soldados que, antes do combate, se purificassem com um banho no Nilo, vestissem panos de qualidade e aspergissem sobre o corpo a água do templo em Karnak, um local santo para Amon, o deus solar com cabeça de carneiro, considerado por Piye como a sua divindade pessoal. Assim consagrados, o comandante e suas tropas passaram a enfrentar todos os exércitos que cruzavam pelo caminho.


Faraós Negros – Um parte ignorada da história


No fim de uma campanha de um ano, todos os chefes guerreiros do Egito haviam capitulado – incluindo Tefnakht, o líder do delta, que enviou uma mensagem a Piye: “Seja clemente! Não posso contemplar o teu semblante nos dias de vergonha nem me erguer diante de tua chama, pois temo a tua grandeza”. Em troca da própria vida, os derrotados conclamaram Piye a adorar em seus templos, a ficar com suas jóias mais refulgentes e a apoderar-se de seus bons cavalos.

O conquistador não se fez de rogado. E então, diante de seus vassalos que tremiam de medo, o recém-sagrado Senhor das Duas Terras fez algo extraordinário: após embarcar seu exército e seu butim, içou velas rumo ao sul, navegou de volta para casa, na Núbia, e jamais voltou ao Egito.

Em 715 a.C., quando Piye morreu, encerrando um reinado de 35 anos, seus súditos atenderam a seu desejo e o enterraram em uma pirâmide de estilo egípcio, juntamente com quatro de seus amados cavalos. Piye foi o primeiro faraó a ser sepultado dessa maneira em mais de 500 anos. É uma pena, portanto, que nada do semblante literal desse grande núbio tenha sobrevivido. As imagens de Piye nos elaborados blocos de granito, conhecidos como estelas, e que registram sua conquista do Egito, há muito foram apagadas. Em um relevo no templo da capital núbia de Napata, restaram apenas as pernas de Piye. Só temos certeza de um único detalhe físico do faraó: a cor de sua pele, que era negra.

Piye foi o primeiro dos chamados “faraós negros” – uma série de soberanos núbios que reinaram sobre todo o Egito durante três quartos de século, constituindo a 25a dinastia. Graças a inscrições entalhadas em estelas tanto pelos núbios como por seus inimigos, podemos ter idéia da imensa área do continente controlada por esses governantes. Os faraós negros reunificaram um Egito fragmentado e marcaram sua paisagem com monumentos gloriosos, criando um império que se estendia desde a divisa meridional na atual Cartum, seguindo na direção norte, até o Mediterrâneo. Eram poderosos o bastante para enfrentar os sanguinolentos assírios, e talvez com isso tenham salvo a cidade de Jerusalém.
Nas últimas quatro décadas, os arqueólogos começaram a recuperar a história desse reino – e a aceitar que os faraós negros não tinham caído do céu. Em vez disso, haviam surgido de uma robusta civilização africana que florescera nas margens meridionais do Nilo durante 2,5 mil anos, remontando à primeira dinastia egípcia.

Atualmente, as pirâmides do Sudão – mais numerosas que as do Egito – são espetáculos assombrosos no deserto da Núbia. É possível perambular por elas sem nenhum temor, mesmo se estivermos desacompanhados, como se a região nada tivesse a ver com o genocídio no país, a crise dos refugiados em Darfur ou as conseqüências da guerra civil no sul. Enquanto cerca de mil quilômetros ao norte, no Cairo ou em Luxor, multidões de turistas curiosos desembarcam de um ônibus após outro, espremendo-se para ver e apreciar as maravilhas egípcias, as pouco visitadas pirâmides sudanesas de El Kurru, Nuri e Meroé se erguem serenamente em meio a uma paisagem árida e vazia que mal sugere que ali teve lugar próspera cultura da antiga Núbia.

Agora, contudo, nosso vago entendimento dessa civilização está mais uma vez ameaçado de mergulhar na obscuridade. O governo sudanês constrói uma usina hidrelétrica no rio Nilo, cerca de mil quilômetros acima da barragem de Assuã, erguida pelo Egito nos anos 1960 e que transformou grande parte da Baixa Núbia no leito do lago Nasser (chamado de lago Núbia, no Sudão). Até 2009, ficará pronta a enorme barragem de Merowe e um lago com 170 quilômetros de comprimento irá inundar as terras em torno da Quarta Catarata – assim como milhares de sítios arqueológicos ainda inexplorados. Nos últimos nove anos, os arqueólogos acorreram desesperados à região, realizando escavações a toque de caixa antes que outro repositório de história núbia tenha o mesmo destino da Atlântida.


Jebel Barkal – Ruínas do Templo dedicado a Amon em Napata


O mundo da antiguidade não conhecia o racismo. Na época em que Piye realizou sua histórica conquista, o fato de sua pele ser escura era irrelevante. Obras de arte da Antiguidade – do Egito, da Grécia ou de Roma – revelam clara percepção das características raciais e dos tons de pele, mas há poucos indícios de que a cútis mais escura era vista como sinal de inferioridade.

Somente quando as potências coloniais ocuparam a África, no século 19, os estudiosos ocidentais passaram a atribuir importância, de modo pejorativo, à cor dos núbios.

Exploradores que alcançaram o trecho central do rio Nilo relataram entusiasmados a descoberta de templos e pirâmides elegantes – as ruínas da antiga civilização de Cuch. Alguns, como o médico italiano Giuseppe Ferlini – que demoliu o topo de pelo menos uma pirâmide núbia, levando outros a fazer o mesmo -, eram movidos pela esperança de achar tesouros. O arqueólogo prussiano Richard Lepsius tinha intenções mais sérias, mas também provocou danos ao concluir que os cuchitas “pertenciam à raça caucasiana”.

Até mesmo o famoso egiptólogo de Harvard George Reisner – cujas descobertas no período entre 1916 e 1919 proporcionaram os primeiros indícios de que soberanos núbios haviam governado o Egito – maculou os próprios achados ao insistir que os africanos negros jamais poderiam ter construído aqueles monumentos que estava trazendo à luz. Os reis núbios, incluindo Piye, seriam líbios-egípcios de pele clara que tinham como súditos os africanos negros primitivos. O fato de seu período de grandeza ter sido tão passageiro, sugeriu ele, devia ser conseqüência dos casamentos que esses mesmos líderes realizaram com “elementos negróides”.

Ao longo das décadas, muitos historiadores permaneceram indecisos: os faraós cuchitas eram tanto “brancos” e bem-sucedidos como “negros”, e sua civilização não passava de uma versão piorada da legítima cultura egípcia. Em um livro publicado em 1942, When Egypt Ruled the East (“Quando o Egito dominou o Oriente”), os egiptólogos Keith Seele e George Steindorff resumiram a dinastia dos faraós núbios e os triunfos de Piye em apenas três frases. A última delas dizia: “Mas esse domínio não durou muito”.

A negligência em relação à história núbia refletia não só a tendenciosa visão de mundo da época como também uma fascinação pouco crítica pelas realizações egípcias – e uma ignorância absoluta do passado da África. “Quando fui pela primeira vez ao Sudão”, recorda o arqueólogo suíço Charles Bonnet, “as pessoas comentaram: ‘Mas você é louco! Não há nada de interesse histórico ali! Está tudo no Egito!’ ”

Isso ocorreu há apenas 44 anos. Foram os artefatos recuperados durante a construção da usina de Assuã, nos anos 1960, que começaram a mudar essa visão. Em 2003, décadas de escavações realizadas por Charles Bonnet nas cercanias da Terceira Catarata do Nilo, no povoado abandonado de Kerma, obtiveram reconhecimento internacional com a descoberta de sete grandes estátuas de pedra representando faraós núbios. Muito antes disso, contudo, os esforços de Bonnet haviam revelado um centro urbano mais antigo, densamente povoado, que controlava campos férteis e imensos rebanhos e que durante muito tempo prosperou com o comércio de ouro, ébano e marfim. “Era um reino separado do Egito, e original, com técnicas próprias de construção e costumes funerários”, diz Bonnet. Essa poderosa dinastia surgiu durante a decadência do Médio Império do Egito, por volta de 1785 a.C. E, em 1500 a.C., o Império Núbio havia empurrado suas fronteiras para um ponto entre a Segunda e a Quinta Cataratas.

O retorno a essa era dourada no deserto africano pouco contribui em favor da campanha dos egiptólogos afrocêntricos para quem todos os antigos egípcios, de Tutankhamon a Cleópatra, eram negros. Mesmo assim, a saga dos núbios comprova que uma civilização do interior da África não só prosperou mas também, ainda que por pouco tempo, foi predominante, mesclando-se e por vezes casando-se com seus vizinhos egípcios ao norte. (A própria avó de Tutankhamon, a rainha Tiye da 18a dinastia, é considerada por alguns como descendente de núbios.)

Os egípcios não viam com bons olhos a existência de um vizinho tão poderoso ao sul, sobretudo porque dependiam das minas de ouro da Núbia como fonte de financiamento de seu domínio no Oriente Próximo. Por isso, os faraós da 18a dinastia (1539-1292 a.C.) mobilizaram seus exércitos para conquistar a Núbia e erguer guarnições militares ao longo do Nilo. Nomearam chefes locais como administradores e permitiram que os filhos dos núbios mais favorecidos estudassem em Tebas. Subjugada, a elite núbia adotou os costumes culturais e espirituais do Egito – adorando suas divindades, em especial Amon, comunicando-se na língua de seus conquistadores, adotando práticas funerárias e, mais tarde, a própria construção de pirâmides. Pode-se dizer que os núbios foram o primeiro povo a ser tomado por uma onda de “egitomania”.

Os egiptólogos do fim do século 19 e início do 20 interpretaram isso como sinal de fraqueza. Mas estavam equivocados: os núbios tinham talento para interpretar as tendências geopolíticas. No fim do século 8 a.C., o Egito estava dilacerado por facções, com a região sob o controle de chefes líbios. Uma vez consolidadas no poder, tais facções começavam a desestimular a devoção a Amon, e os sacerdotes de Karnak passaram a temer por um futuro ímpio. Quem tinha condições para fazer com que o Egito recuperasse seu estado anterior de poderio e santidade?

Olhando para o sul, os sacerdotes egípcios encontraram a resposta – um povo que, sem jamais ter cruzado suas fronteiras, havia conservado as tradições espirituais do Egito. Naquela altura, como diz o arqueólogo Timothy Kendall, os núbios haviam se tornado “mais católicos que o papa”.


Busto de Shabaka, Museu do Louvre, França


Sob o domínio Núbio, o Egito voltou a ser Egito. Quando Piye morreu, em 715, seu irmão Shabaka consolidou a 25a dinastia ao estabelecer-se na capital egípcia de Mênfis. Assim como o irmão, Shabaka identificava-se com as antigas práticas faraônicas, adotando como soberano o nome do faraó Pepi II, da 6a dinastia, tal como Piye adotara o de Tutmés III. E, em vez de mandar executar seus inimigos, Shabaka colocou-os para construir diques que protegessem as aldeias egípcias das inundações do Nilo.

Tebas e o templo de Luxor ganharam novos projetos arquitetônicos. Em Karnak, o faraó erigiu uma estátua de granito rosado de si mesmo envergando a coroa cuchita com o duplo uraeus – as serpentes que indicam sua legitimidade de Senhor das Duas Terras, o Baixo e o Alto Egito. Shabaka deixou claro aos egípcios que os núbios não tinham a menor intenção de ir embora.

A leste, os assírios estavam consolidando seu próprio império. Em 701 a.C., quando suas tropas marcharam sobre a Judéia, no atual território de Israel, os núbios decidiram conter aquele avanço. Os dois exércitos chocaram-se na cidade de Eltekeh. E, embora o imperador assírio, Senaqueribe, tivesse se vangloriado da vitória, um jovem príncipe núbio, com cerca de 20 anos, filho do faraó Piye, sobreviveu. O fato de que os assírios, que costumavam não poupar nenhum de seus inimigos, terem deixado escapar o príncipe indica que talvez a vitória não tenha sido total.

Seja como for, quando os assírios deixaram Eltekeh e se concentraram diante das portas de Jerusalém, o líder da cidade, Ezequias, contava com a ajuda de seus aliados egípcios. Cientes disso, os assírios não puderam conter a provocação, imortalizada no Livro II de Reis, do Antigo Testamento: “Confias no apoio do Egito, esse caniço quebrado, que penetra e fura a mão de quem nele se apóia; pois não passa disso o Faraó, rei do Egito, para todos os que nele confiam” (18:21).

Em seguida, de acordo com a Bíblia, ocorreu um milagre: as tropas assírias recuaram. Teriam sido assoladas por alguma peste? Ou, como sugere Henry Aubin em um livro polêmico, The Rescue of Jerusalem (“O resgate de Jerusalém”), os assírios se afastaram ao ter conhecimento de que o mencionado príncipe núbio avançava sobre Jerusalém? Tudo o que sabemos é que Senaqueribe desistiu do cerco e retornou em desgraça a seu reino, onde seria assassinado 18 anos depois, aparentemente pelos próprios filhos.

A libertação de Jerusalém não é apenas uma nota de rodapé da história, argumenta Aubin, mas um de seus principais acontecimentos.

Ela permitiu que a sociedade hebréia e o judaísmo se consolidassem ao longo de outro século crucial – depois do qual o rei babilônio Nabucodonosor seria capaz de banir o povo hebreu, mas não de aniquilá-lo nem a sua fé. E depois do judaísmo surgiria o cristianismo e o islamismo. Jerusalém acabaria sendo representada, em todas as três maiores religiões monoteístas, como uma cidade de significado divino.

Em meio a esses majestosos eventos históricos, foi fácil deixar de lado a figura de pele escura à borda da paisagem: Taharqa, o filho de Piye. Tão ampla foi a influência de Taharqa no Egito que até mesmo seus inimigos não conseguiram extirpar sua marca. Durante seu reinado, navegar rio abaixo pelo Nilo, de Napata a Tebas, era atravessar um mundo de maravilhas arquitetônicas. Em todo o Egito, ele construiu monumentos que exibiam seu semblante ou seu nome, muitos dos quais, hoje, repousam em museus.

A maioria das estátuas acabou desfigurada por seus rivais – o nariz destroçado o impediria de retornar da terra dos mortos. Igualmente destruídos estão os uraeus na testa, em repúdio à sua reivindicação de Senhor das Duas Terras. O pai dele, Piye, resgatara, para o bem do Egito, os costumes faraônicos. Seu tio Shabaka consolidara a presença núbia em Mênfis e Tebas. Mas as ambições de ambos empalideciam diante das do comandante de 31 anos que foi alçado ao trono em Mênfis, em 690, e liderou os impérios do Egito e da Núbia nos 26 anos seguintes.


Taharqa venerando o Deus-Falcão – Museu do Louvre, França



Taharqa ascendera em momento favorável à 25ª dinastia. Os chefes guerreiros do delta haviam sido subjugados. Os assírios, após o humilhante confronto em Jerusalém, não queriam ter nada a ver com o soberano núbio. O Egito era dele e de ninguém mais. Além da paz, os deuses também lhe concederam a prosperidade. Durante o sexto ano em que estava no poder, o Nilo encheu-se com as chuvas, transbordando pelas várzeas circundantes e proporcionando espetacular colheita de cereais. A cheia conseguiu até mesmo acabar com os ratos e as serpentes. Não havia a menor dúvida de que o adorado Amon sorria para seu eleito.

Taharqa não se contentou com isso. Por isso lançou o mais ousado programa de obras civis jamais iniciado por nenhum faraó desde o Novo Império (por volta de 1500 a.C). As capitais sagradas de Tebas e Napata foram os alvos principais da atenção de Taharqa. Hoje, em meio aos restos confusos do complexo de Karnak, perto de Tebas, vê-se uma coluna solitária com 19 metros de altura. Havia dez desses pilares, formando um pavilhão que o faraó núbio adicionou ao templo de Amon. Ele também mandou construir várias capelas ao redor do templo e erigiu estátuas de si mesmo e de sua amada mãe, Abar. Sem desfigurar nem um único monumento preexistente, Taharqa deixou sua marca em Tebas.

Ele fez o mesmo centenas de quilômetros rio acima, na cidade núbia de Napata. O monte sagrado Jebel Barkal havia cativado até mesmo os faraós egípcios do Novo Império, que consideravam o local como a terra natal de Amon. Apresentando-se como herdeiro dos faraós do Novo Império, Taharqa construiu dois templos no sopé do morro, em honra da divina consorte de Amon. No pináculo de Jebel Barkal – recoberto em parte com folhas de ouro -, o faraó negro ordenou que fosse inscrito seu nome. Por volta do 15o ano de governo, em meio à grandiosa consolidação de seu império, é possível que o sucesso tenha subido à cabeça do soberano núbio. “Taharqa estava à frente de uma das principais potências da época”, avalia Charles Bonnet. “Acho que se imaginava o rei do mundo e acabou por virar um pouco megalomaníaco.”

No litoral do Líbano, os mercadores de madeira vinham alimentando o apetite arquitetônico de Taharqa com suprimento de zimbro e cedro. Quando Esarhaddon, o rei da Assíria, tentou fechar essa artéria comercial, Taharqa enviou tropas para reforçar um levante contra os assírios. Esarhaddon esmagou a revolta e reagiu invadindo o Egito em 674 a.C. Mas o exército de Taharqa conseguiu expulsar os assírios.

Outros estados rebeldes na orla do Mediterrâneo se colocaram ao lado do faraó núbio e formaram uma aliança contra Esarhaddon. Em 671 a.C., os assírios avançaram com seus camelos pelo deserto do Sinai a fim de sufocar a rebelião. E logo tiveram êxito. Esarhaddon ordenou que suas tropas seguissem em direção ao delta do Nilo.

Taharqa e seus homens enfrentaram os assírios. Durante 15 dias travaram batalhas campais sanguinolentas. Mas os núbios se viram forçados a recuar até Mênfis. Ferido cinco vezes, Taharqa escapou com vida e abandonou Mênfis. Seguindo a tradição assíria, Esarhaddon massacrou os moradores e “erigiu montes com suas cabeças”. E encomendou uma estela mostrando o filho de Taharqa, Ushankhuru, ajoelhado diante do assírio com uma corda em torno do pescoço.

Taharqa terminou vivendo mais que o vitorioso Esarhaddon. Em 669 a.C., este morreu quando se dirigia ao Egito, depois de saber que o núbio retomara Mênfis. Comandados por novo soberano, os assírios voltaram a investir contra a cidade, dessa vez com um exército reforçado por tropas rebeldes cativas. Taharqa não tinha como vencer. Acabou voltando para o sul, refugiando-se em Napata e jamais pisando de novo no Egito.

Uma medida do prestígio de Taharqa na Núbia é que ele reteve o poder mesmo após ter sido por duas vezes expulso de Mênfis. O modo como passou seus últimos anos é um mistério – com exceção de um derradeiro ato inovador. Tal como seu pai Piye, Taharqa quis ser sepultado em uma pirâmide. No entanto, desprezou o cemitério real em El Kurru, onde jaziam todos os faraós cuchitas anteriores. Em vez disso, escolheu um lugar em Nuri, na margem oposta do Nilo. Talvez, como sugeriu o arqueólogo Timothy Kendall, Taharqa tenha preferido o local porque, desde a perspectiva de Jebel Barkal, sua pirâmide está precisamente alinhada com o nascer do Sol no dia de ano-novo no Antigo Egito, vinculando-o para sempre ao conceito de renascimento egípcio. O mais provável, contudo, é que os motivos do líder núbio continuem mergulhados na obscuridade, tal como a história de seu povo.


Fonte: Artigo extraído da edição online da National Geographic Brasil. (http://viajeaqui.abril.com.br/national-geographic/)

COMPARTILHAR
Artigo anteriorOsíris
Próximo artigoSeres (Deuses) da Primeira Geração
avatar
Natural de Criciúma – SC, Graduado e Pós-Graduado em História pela UNIASSELVI – SC, com ênfase no Antigo Egito. Apaixonado pelos antigos egípcios e com planos de em breve estar definitivamente morando/trabalhando no Egito.

35 COMENTÁRIOS

    • A média de vida no antigo Egito, assim como em grande parte do continente africano, era de 35 a 40 anos. Isso , devido a desnutrição associada a doenças.

  1. O Egito sofreu influência política de vários países. Porém já em épocas tardias. Pode ter sido nessas invasões que houve a tão falada miscigenação.

  2. Tratar da etnia negra em suas várias tonalidades não é falar de miscigenação. Pois continua sendo negros. Em relação ao auge da sociedade Egipcia foi provavelmente com as invasões. Isso depois de milênios. Ai sim a população pide ter clareado um pouco. Tenho dúvidas, pois até hoje a população egipcia é bem escura em grande parte. As das invasões, a população egipcia era negra.

  3. O Egito no seu auge, era o maior império de sua época…quem negar que havia grande miscigenação, sinto muito, esta mentindo. É normal haver muitos padrões diferentes e misturas, negros de cabelo crespo e labios grossos, negros com cabelo alisado, nariz alongado e pouca barba…enfim, Egito não era apenas um grupo étnico.

  4. Qualquer afirmação de uma posterioridade de “faraós negros” na época de Piye incorre em grave erro, e infelizmente não são poucos que repetem e divulgam tal erro. Basicamente a civilização egípcia é uma civilização negróide e negra que sofreu miscigenação com outros povos ao longo do tempo. Contudo, de forma alguma o sucesso da civilização egípcia se relaciona à parcela de parte da população miscigenada. Fato é que todos querem disputá-la por ser uma das maiores, senão a maior da antiguidade e fundadora de vários elementos da civilização em geral. Mesmo na época em que os egípcios estavam muito miscigenados, ironicamente em sua decadência, e recém libertos do julgo persa pelo exército de Alexandre, a cor predominante era as várias tonalidades negras. Todas as fontes gregas da época fazem referência aos egípcios como pessoas negras ou escuras. jamais os gregos usam os mesmos termos para outras civilizações do Oriente. Então, basicamente é isso, a civilização egípcia é uma civilização negra que sofreu miscigenação com o passar dos tempos. Os faraós negros aparecem desde o início das dinastias e não muito tempo depois com Piye. Na Wikipédia, por exemplo, informam que Amenhotep III reprimiu uma revolta núbia, um povo negróide. Quem lê isso pensa que Amenhotep III era um faraó não negróide que combateu os negróides. Ora, Amenhotep III era negro, se casou com a importante e poderosa rainha negra Tiye (não é uma esposa secundária como eu já li alguma vez, mas se trata do casal mais representado na história do Egito em estátuas, estatuetas, monumentos, etc.), deles nasceu Amenhotep IV que viria a se chamar Aquenáton, sem a menor possibilidade de não ser negro. O homem que fundou o monoteísmo no Egito e provavelmente teve como discípulo Moisés. Eu, particularmente, não acredito em múmias caucasianas ruivas ou loiras representantes do povo egípcio em geral, provavelmente isso é uma farsa, ou os “cientistas” estão estranhamente confundindo múmias de gregos tardios com os povos negros dominantes. Então, temos aquela vergonhosa representação francesa atual de uma pessoa caucasiana, branco quase pálido de Tutancâmon, provável neto de Tiye e Amenhotep III, filho de Aquenáton com outra mulher (não sendo a Nerfetiti). Ele, tal como os seus avós e pai (e provável mãe) era negro. Aliás, a indústria que lida com genética vendeu a fantasia de que grande parcela de europeus é descendente do faraó Tutancâmon, isso posteriormente foi desmentido pelos próprios cientistas envolvidos. Azar de quem pagou bem pela sua fantasia. E saibam quem escreveu isso é alguém que tem na certidão de nascimento “caucasiano”, e sou branco 😉

    • Valeu Willian,eu sou negro ,mas independente de cor,raça ou etnia o que deve prevalecer é a verdade.Gostei de sua exposição.

  5. Bem. Olhando essa discussão sobre a cor de pele dos egípcios, vamos observar que a cor da pele dos indianos são escura também. Podemos também considerá-los negros?

    • Olá Maciel, tudo bom? Esse é um tema sempre levantado nos debates. Qualquer extremismo afirmando que todos os egípcios em um espaço de mais de 3.200 anos eram negros ou brancos é infundado. Até mais.

    • A resposta é simples. É o nome da cor da pele. “A cor”. O que é fácil de entender pelo popular. Pessoas de pele clara (independente do tom) são brancas (associação à cor branca) pessoas de pele escura (também independente do tom) são negras. Então, a cor da pele é negra e a etnia indiana. Assim como africanos normalmente são negros. De forma análoga, europeus são brancos mas pode existir etnias europeias de pele escura ou negra, não necessariamente africana ou indígena. Hoje, devido a desconstrução e associação midiática negativa da pele escura é comum pessoas, mesmo de pele escura (tom menos escuro), se afirmarem pardas. Mas esse termo “pardo” tem origem na escravidão para denotar indiretamente pessoas de origem africana, mas, na minha opinião, indevidamente usado pelo IBGE, pois não é associado ao significado original e acaba sendo usado como fuga do “rôtulo” negro devido à alienação social sofrida.

      • Só para completar minha resposta, que ficou parecendo uma sentença que faz parecer a existência de duas cores (tons) de pele no mundo e não é verdade.Fiz um teste curioso. Peguei uma fotografia de uma etíope (muita melanina) e de uma finlandesa (pouca melanina) e coletando o meio-tom (tom entre o nível de brilho e sombra de uma cor) de pele das duas, através de software pelo sistema CMYK, fiz a junção ou mistura das cores, e obtive espantosos 50 tons possíveis de serem diferenciados a olho nu. Acredito que um olho treinado possa chegar a 100 tons. E se colocarmos todas as variáveis (tons escuros, saturados etc) é possível chegar a muito muito mais. Então, é mais fácil diferenciar por pele escura e pele clara… Mas, pessoalmente, quando não se sabe o nome do tom correto da pele (quase impossível) acho elegante e até poético os termos: cor de avelã, marfim, ébano, amêndoa, oliva etc).

    • Os indianos são negros de cabelo liso. Mas eles não aceitam sua negritude. Na Índia existe até mesmo um creme milagroso que clareia a pele. Os indianos maltratam aqueles que são mais negros que eles. Quero distância da įndïä.

      • Henrique, eu particularmente não acredito em negros egípcios majoritariamente de cabelos lisos. Outra ilusão que vendem. Eles tinham cabelos crespos (quando não raspavam), e faziam trancinhas bem da forma como os negros fazem. Por exemplo, aquelas famosas esculturas de exército núbio pintados de preto e aparentando ter cabelos lisos, na realidade não é uma representação 100% detalhista ou real, lá o cabelo deles está grosseiramente representado daquela forma, assim como em outras pinturas, tem algo de geométrico. Os gregos mesmo na época em que estavam muito miscigenados falaram de “cabelos lanosos” e não “cabelos lisos”. Falaram disso exatamente porque é uma característica não grega, mas egípcia, etíope – núbia.

        • Willian. Temos a mesma linha de pensamento. Acredito que se não a maioria dos egípcios nativos tinham cabelo crespo sim. Algumas pinturas antigas parecem trata los com cabelo rastafari. Uma coisa é certa. Os antigos egípcio eram negros, isso é fato comprovado de todas as formas. O cientista sério não fecha seus olhos para a verdade. Temos cientistas que defendem essa verdade a partir de provas físicas.

  6. Sou negra, exclusiva, perola negra, nada comparável, a mais linda beleza, nunca visto pendurada nos pescoços das brancas, a não ser as perolas brancas como elas. Atenciosamente. carobama@hotmail.com

    • Olá Kerolayne, tudo bom? Legal sua demonstração de orgulho, entretanto, quando você se diz “incomparável”, acaba diminuindo outras pessoas que não tiveram a mesma boa genética que você. Até mais.

  7. Olá, boa noite, todos bem?
    Orgulho-me de ser negra. Nada de cor de café, nem do chocolate. Negra da cor da perola negra, nada comparado, pois não a vejo,pendurada nos pescoços das brancas, a não ser as perolas brancas da mesma cor que as delas. Sou exclusiva, unica, incomparável. carobama@hotmail.com

  8. Olá,
    Você poderia me informar/indicar quais são esses estudos que dizem que Cleópatra VII era negra? E também algum estudo que fale dos cabelos dos egipcios? Eu sei que eles usavam perucas, mas não encontro nenhum texto que fale de como era os cabelos deles.
    Obrigada,

    • Olá Lana, tudo bom? Como disse no comentário abaixo, há muita divergência em relação a esse aspecto na civilização egípcia e muitas teorias envolvendo os mais diversos estudiosos. Ao meu ver, a origem de uma raça pode sim ter uma cor predominante, mas com o passar do tempo e a mistura dos povos (casamentos) isso acaba ficando menos evidente. Precisamos levar em conta que antigamente a taxa de natalidade era maior e as civilizações não eram tão grandes como hoje, sendo assim, 3 mil anos de história é tempo suficiente para ocorrer uma grande mistura desses povos. Espero ter ajudado. Até mais.

    • Olá Ramon Alan, tudo bom? Eu conheço o blog e já vi boas postagens nele. Quanto a questão que o blog defende que “sim, os egípcios eram negros” eu iria com um pouco mais de calma. Essa análise deve ser feita baseada em vários fatores, tais como; mistura de raça (muitos egípcios se casavam com não-egípcios), representações artísticas, relatos históricos (como o blog cita alguns, porém há algumas contradições entre os historiadores gregos já esclarecidas atualmente). Quanto ao cabelo liso o blog faz uma menção sobre “raças negras que tem cabelos lisos”, mas a grande retratação do povo egípcio é feita com “perucas” já que por questão de higiene eles raspavam o cabelo. O que o Dr. Zahi Hawass diz tem muito fundamento ao meu ver e em vários documentários ele cita fontes para chegar a conclusão que “não eram negros nem brancos, mas uma mistura dos dois”. Espero ter ajudado, até mais.

  9. TAMBEM SOU APAIXONADO PELO ANTIGO EGITO E FICO ME PERGUNTANDO TANTAS PESQUISAS E NINGUEM TEM CORAGEM DE FALAR SOBRE A COR DOS EGIPICIOS ANTIGOS. SE FORMOS ANALISAR NINGUEM DE COR BRANCA MORA OU MOROU NAQUELA REGIÃO DO RIO NILO. OS POVOS MAIS PRIMITIVOS DO DESERTO ATÉ HOJE ESTÃO SÃO NEGRO MESMO NOS PAISES ARABES QUE SAO ESCUROS MAS NÃO SÃO NEGROS ESTA CHEIO DE NEGROS. AQUELA TERRA É UMA TERRA DE NEGROS OS BRACOS ESTÃO NA EUROPA SOMENTE NOS LUGARES FRIOS ELES NÃO AGUENTÃO MORARAR NO DESERTO. OUTRA COISA INTERESSANTE É A ESFINGE TEM ROSTO DE AFRICANO PURO MAS OS HISTORIADORES NÃO FALAM ISTO PORQU INCOMODA ELES. NÃO VAMOS NOS CALAR POR CAUSA DE UMA MEIA DUZIA QUE QUEREM DISTORCER A HISTÓRIA.

    • Olá Edemir, tudo bom? Muitos estudiosos debatem sim sobre qual seria a cor da população egípcia antiga, mas é um estudo que envolve diversos fatores e que ao meu ver não está sendo “escondido” e sim apenas sendo tomado cuidados para não ocorrer mais teorias sem algo concreto. Até mais.

    • Falou tudo Edemir. Os Primeiros egípcios eram negros de cor café. Tenho orgulho de ser neto de egípcio,e , sou negro. Acho errado e gravíssimo associar os atuais egípcios como brancos. No atual Egito tem negros disfarçados e morenos. Não sei o por que de tanta negação em relação a negritude egípcia. É fato.

  10. basta ver os desenhos do antigo egito nas gravuras, uns tinham a pele bem escura como o querido mussum outros tinha uma pele cor de chocolate como a bela taís araujo que sou apaixonado outros tinham a pele parda como o jogador neymar alguns tinham a pele clara queimada de sol como arabes e alguns poucos brancos vindos do sul da europa e asia central mas sua grande maioria tinham fisionomia de negros. Hoje em dia o egito se misturou muito e temos muitos de peles claras e pardas e escuras. Mas segundo o que vemos nos desenhos eram negros ou cor de chocolate ou café e poucos claros. Inclusive nos desenhos antigos os egipcios aparecem de cabelos trançados. Nas estatuas também se ve bem a feição negra. O antigo egito era predominantemente negro. Pelo que já li e ouvi. egito negro é o verdadeiro egito antigo. Sou branco e amo a historia do egito. Sou apaixonado pelas deusas negras do egito. A rainha cleopatra era negra a parda segundo cientistas, nada de cleopatra branca por favor.

    • Olá Aleks. Concordo em partes contigo. O fato principal de muitos acharem que os egípcios eram todos brancos, deve-se a filmes que retratavam dessa maneira o povo. Mas assim, por mais que se ache que a grande maioria era negra não teríamos como precisar isso. Pelos desenhos também não seria a forma mais correta de associa-los já que a arte egípcia tinha significado diferentes nas retratações (como por exemplo, raramente alguém era retratado velho, apesar de existir muitas pessoas idosas). Já Cleópatra VII, os estudos mais recentes mostram que ela era negra. Até mais.

    • SE O POVO ANTIGO NÃO TINHA DISCRIMINAÇÃO SOBRE O TOM DE PELE COMO A HUMANIDADE AO DECORRER DOS TEMPOS FOI FICANDO CADA DIA MAIS PRECONCETUOSA E QUE A FALTA DE INFORMAÇÃO O POVO EGIPCIOS E RICO EM CULTURA E SUAS ESTÁTUAS E SEMPRE FORAM DIVULGADAS COMO SE NÃO FOSSE DE CARACTERISTICA DA RAÇA NEGRA VAMOS PARAR COM ISSO E vamos mostrar a realidade ao mundo e Cristo de olhos azuis e loiro´vamos parar com isso

DEIXE UMA RESPOSTA

*