Início Notícias da Egiptologia Antigo porto é descoberto no mar vermelho..

Antigo porto é descoberto no mar vermelho..

15
2
COMPARTILHAR

A descoberta de um antigo porto no Mar Vermelho prova que os antigos egípcios dominaram as tecnologias oceânicas e lançaram uma série de expedições ambiciosas para terras distantes. As cenas esculpidas em uma parede do antigo templo egípcio em Deir el-Bahri falam de uma viagem marítima notável. Uma frota de navios cargueiros em busca de plantas exóticas, animais e incenso precioso é retratado navegando através de ondas fortes em uma viagem para uma terra misteriosa conhecida como Punt.

 

Pintura no templo de Hatshepsut, em Luxor mostra um navio em uma expedição de negócios – Stephane Begoin

 

Os registros foram encomendados por Hatshepsut, a maior faraó mulher do antigo Egito antigo, que controlou o Egito por mais de duas décadas. Ela governou cerca de 2 milhões de pessoas e supervisionou um dos mais poderosos impérios do mundo antigo. “Algumas pessoas têm argumentado que Punt era no interior e não no mar, ou um lugar fictício”, diz John Baines egiptólogo de Oxford. Recentemente, no entanto, uma série de notáveis ​​descobertas em um trecho desolado da costa do Mar Vermelho acalorou o debate, provando de uma vez por todas que as habilidades de construção dos antigos egípcios era aplicada aos navios oceânicos, bem como para as pirâmides.

Arqueólogos da Itália, Estados Unidos e Egito escavando em uma lagoa seca conhecida como Mersa Gawasis, encontraram vestígios de um antigo porto de onde poderia ter saído as primeiras viagens, como a de Hatshepsut para o oceano aberto. Algumas das provas mais evocativas do sitio para as proezas marítimas dos antigos egípcios está escondida atrás de uma porta de aço moderna situada em um penhasco a apenas 700 metros  a partir da costa do Mar Vermelho, dentro de uma caverna feita pelo homem a cerca de 70 metros de profundidade. Lâmpadas alimentadas por um gerador de gás iluminam as partes do trabalho: Aqui, uma escavadeira remove a areia e os detritos para longe de uma esteira de palha de 3.800 anos de idade; A conservação do material está sendo feita por especialistas no assunto.


Fonte: http://discovermagazine.com/2011/jun/02-egypts-lost-fleet-its-been-found

2 COMENTÁRIOS

  1. Olá….De fato existe uma pintura no templo de Hatshepsut que mostra uma viagem da rainha-faraó a terras da Núbia possivelmente a negócios e questões políticas no entanto em relação sobre o domínio de navegações oceânicas é bastante questionável sobretudo devido as fontes e achados que são poucos.A maior parte das viagens marítimas egípcias se restringiam ao Rio Nilo sobretudo em relação a pesca afinal de contas muitos dos barcos utilizados eram feitos de fibras de papiro amarradas e tinham pouca durabilidade e dimensões enquanto barcos maiores como a barca do faraó Khufu eram dificilmente feitos sendo que não foram achados muitos de mesmas proporções e características.

    • Olá Marcelo, tudo bom? Excelente comentário! Há pouco vestígios arqueológicos das navegações, mas especula-se que como tinham a tecnologia da construção, como pode ser vista nos dois barcos solares do Faraó Khufu, os egípcios eram grandes navegadores, mas são hipóteses que ainda carecem de fontes, como bem dito em seu comentário. Até mais.

DEIXE UMA RESPOSTA

*