Início Antigo Egito Deuses Egípcios (Cosmogonia)

Deuses Egípcios (Cosmogonia)

231
11
COMPARTILHAR

Como foi visto no link Religião Egípcia, a quantidade de deuses egípcios ao longo de toda a civilização era enorme, cada nomo possuía seus próprios deuses, mas com o passar do tempo e com a unificação do baixo e do alto Egito esse número caiu consideravelmente.

Há muitos mitos, e as divindades aparecem de formas bem diferentes em cada um deles, mas isso não significava algo contraditório para os egípcios, e sim algo que se completava.

A Cosmogonia faz parte dos primeiros textos sagrados egípcios. Cosmogonia é o termo usado para abranger as diversas teorias sobre as origens do universo de acordo com as mitologias. A maioria das teorias evolve uma força desconhecida e tenta explicar o que parece inexplicável. Os deuses eram divididos de várias maneiras e isso variava de lugar para lugar. As organizações que conhecemos eram as seguintes: as Enéades (nove deuses), as Ogdoádes (oito deuses) ou as tríades (três deuses). A mais popular e conhecida é a Enéade de Heliópolis. A seguir falaremos sobre ela e as demais.

 

Geb e Nut – Papiro de Wespatrashouty no Museu do Louvre – Paris

 

Enéade de Heliópolis (Principal)

Enéade é um termo grego para os nove deuses e deusas que eram a base de um dos mitos de criação do antigo Egito. O primeiro mito de criação vem de Heliópolis e incluiu nove divindades que surgiram do deus criador Atum (associado a Ré) e do deus dos oceanos primordiais, chamado de Nun. Atum fez Shu, deusa do ar, e Tefnut, o deus da umidade. Eles, por sua vez, fizeram Geb, deus da terra, e Nut, a deusa do céu. Geb e Nut eram os pais de Osíris, Set, Ísis e Néftis. Mais tarde a Enéade teve uma variação no número de deuses, chegando a ter até 15.

A Enéade de Heliópolis foi um dos três mitos que surgiram durante o Império Antigo na tentativa de explicar o surgimento do mundo. Foi desenvolvido pelos sacerdotes de Ré. A fonte mais completa que existe sobre a Enéade vem dos textos das pirâmides. Atum foi associado a Ré, e essa fusão era explicada pelos sacerdotes como um adicional de poder a Atum. Os principais mitos envolvem a Enéade de Heliópolis, que sem dúvida foi a mais popular em todo o antigo Egito.

A composição da Enéade era feita da seguinte maneira:

Atum-Rá, Chu, Tefnut, Geb, Nut (5 deuses)
Osíris, Seth, Ísis e Néftis (4 deuses)

 

Ogdóade de Hermópolis

O mito da Ogdóade originou-se em Hermópolis, um centro de importantes cultos para a religião egípcia. Acreditava-se que o deus sol nasceu lá, e os sacerdotes de Hermópolis alegavam que lá ocorreu o primeiro nascer do sol do mundo. A origem dos deuses variava, e existiam diversos mitos sobre isso. No início a Ogdóade era tida como uma força do poder egípcio; depois seus deuses foram tomando formas de animais. Com a evolução, os deuses passaram a ser agrupados em casais:

Nun e Nunet, o oceano primordial;
Hek e Heket, o infinito;
Kek e Keket, as trevas;
Amun e Amunet, o oculto;

Em outra versão do mito da Ogdóade, os oito deuses se uniram para formar o ovo cósmico que foi fertilizado por Amun quando ele ainda era uma serpente. No entanto há outro mito que diz que Amun botou o ovo cósmico, do qual eclodiu o deus sol.

 

Tríade de Mênfis

Mênfis era a capital do Egito no antigo Império e era conhecida por suas fortificações. PTAH era o deus principal, associado aos artesãos. Ele é representado mumificado. Sua esposa era a deusa cabeça de leão SEKHMET, que segundo os mitos atacou a humanidade em um momento de fúria e foi punida por Ré. Em seu aspecto mais doce, SEKHMET era a deusa da cura. Seu filho, Nefertum, era o deus da felicidade e estava associado à flor de lótus.

 

Tríade de Tebas

Na tríade de Tebas o deus principal era Amun. Ele aparecia de muitas formas, mais na maioria das vezes era retratado segurando um cetro e um ankh – que respectivamente significam “poder” e “vida” – e com uma coroa de duas plumas na cabeça. Amun era o deus do oculto/invisível. A esposa de Amun era MUT, cujo nome significa “mãe”, às vezes chamada de “mãe da terra”. Geralmente Mut era retratada segurando um cetro de papiro e com uma coroa dupla. O filho deles, KHONSU, era considerado o deus da lua, completando a tríade de Tebas.

Vale lembrar que no Império Novo Amun (Amon), deus local de Tebas, ganhou força e foi fundido com Ré (Rá), formando assim uma das divindades mais cultuadas: Amun-Ré. Ré, que era a manifestação do poder do sol, foi fundido com outras divindades ao longo da história.

 

Tríade de Edfu

Edfu está situada ao sul de Tebas e virou um importante culto durante a dinastia ptolomaica. HORUS, o deus falcão, era a divindade principal. O templo ptolomaico em Edfu é protegido por dois falcões esculpidos em granito preto. Hathor era a esposa de Hórus, e no templo há inscrições que falam do casamento de ambos. Seu filho, Harsomtus (“Hórus, o mais jovem”), foi ao mesmo tempo um ser humano, um falcão e a reencarnação do rei morto. Um de seus títulos era “Filho da Terra”.

 

Tríade de Elefantina

Era um grupo de três deuses adorados em Aswan, na ilha de Elefantina: KHNUM, deus carneiro que criou a humanidade modelando os homens como um oleiro; ANUKET (Anukis), a deusa que era guardiã da fronteira sul do Egito; e SATET (Satis), sua filha, deusa da catarata em Aswan. Durante alguns períodos da história egípcia, Satis foi considerada a esposa de Khnum.

Conheça os principais Deuses, clicando no link abaixo:

Principais Deuses do Panteão Egípcio.

 

 

Quer mais livros sobre o tema? Clique aqui.

Artigos, teses e matérias sobre o antigo Egito? Clique aqui.

 

Autor: Lucas Ferreira

Fontes / Referências:

– BAINES, John; MALIK, Jaromir. Cultural Atlas of Ancient Egypt. London: Andromeda Oxford Limited, 2008.

– BUDGE, Wallis. Osiris, The egyptian religion of resurrection. Publisher: University Books, 1961.

– DERSIN, Denise. What Life was Like on the Banks of the Nile 3050-30 b.C. Publisher: Time Life Education, 2007.

– HART, George. The British Museum Pocket Dictionary of Ancient Egyptian Gods and Goddesses. British Museum Press, 2001.

– SHAW, Ian. The Oxford Illustrated History of Ancient Egypt. Oxford: Oxford University Press, 2000.
Sites / Referências:

http://www.reshafim.org.il/ad/egypt/

http://www.oxfordexpeditiontoegypt.com/

http://scriptorium.lib.duke.edu/papyrus/

11 COMENTÁRIOS

  1. Olá, Lucas Ferreira, gostaria de parabenizá-lo pelo excelente site, gostaria de sabe se você tem algum artigo que fale sobre a deusa Néftis?

  2. Olá, bom dia! Parabéns pelo site, é realmente muito bom. Gostaria de saber se há algum lugar onde eu possa baixar livros que falem mais sobre os deuses do Egito Antigo? Eu gostaria de ler mais sobre o assunto.

    • Olá Ana, tudo bom? Fico feliz que você gostou do site. Eu tenho alguns livros (em inglês). Caso tenha interesse, me contacte pelo Facebook. Até mais.

  3. OI. BOA NOITE E PARABÉNS PELO TRABALHO E PELO SITE. PODERIAM INFORMAR-ME SE EXITE, TRADUZIDO PARA O PORTUGUÊS UM VÍDEO CHAMADO A HISTORIA OCULTA DO EGITO. ELE DA PRODUZIDO PELA BBC E APRESENTADO POR TERRY JONES. DE VEZ EM QUANDO ELE É TRANSMITIDO PELA TV ESCOLA MAS, NÃO CONSIGO ENCONTRÁ-LO A DISPOSIÇÃO EM PORTUGUÊS. PODERIAM ME AJUDAR?

  4. Olá!

    Agradeço a Lucas Ferreira pelo esclarecimento que o artigo dá sobre a crença do Antigo Egito: conforme os agrupamentos de deuses e suas regiões de influência/origem.

    Bem mais fácil de entender. Infelizmente essas explicações faltam nas instituições de ensino, mas que bom que iniciativas independentes como essa existem.

    Abraço.

    • Olá Leonardo, tudo bom? Obrigado pelos elogios. Eu tento sempre achar alguma forma de descomplicar a mitologia egípcia, já que muitos não a entendem devido ao pensamento inicial de que as crenças eram muito contraditórias, mas na verdade são apenas complementares e que reforçam determinada ideia. Abraços.

  5. Estamos contrundo 3 pirâmides e buscando mais informações sobre a energia cósmica
    produzida por elas. Como buscar esta energia. As 3 pirâmides foram contruidas com bússolas de precisão e a obra está quase finalizada. Este site está sendo muito útil para nossas pesquisas e agradecemos pelo talento de quem o criou.

DEIXE UMA RESPOSTA

*