Mistério de uma estátua egípcia faz estudiosos quebrarem a cabeça..

Por mais de uma década, historiadores de arte e arqueólogos da Montreal’s Concordia University tem sido intrigados sobre as origens de uma misteriosa estátua egípcia. Os especialistas declaram a estátua como grotesca e bela e disseram que ou é um artefato potencialmente de milhares de anos de valor inestimável ou uma falsificação inútil.

“É uma peça muito misteriosa e muito incomum”, Clarence Epstein, diretor da universidade de projetos especiais e assuntos culturais, disse a CTV.ca. “Nenhum dos especialistas estão prontos para dizer se esta peça é autêntica, o que é, quantos anos ela tem, ou de onde vem.” A escultura de calcário de 67 centímetros de altura representa duas pessoa sentadas de cabeças longas e membros finos e compridos, conhecido como; “os famintos de Saqqara”.

A estátua tem traços de pigmento, indicando que ela já foi pintada, e inclui inscrições no que parece ser uma língua antiga, mas ainda não identificada. Mas Epstein diz um pouco mais se sabe sobre a estátua de 80 kg. Ele consultou especialistas da Universidade de Cambridge, o Museu Britânico, o Brooklyn Museum, o Museu de Israel e do Royal Ontario Museum -, mas nenhum foi capaz de confirmar a autenticidade da escultura.

“Um especialista comentou que, pode ser comprovada até a data do período quando os judeus foram exilados de Portugal, que poderia ser um dos raros achados de sua espécie”, diz Epstein. “Outro arqueólogo sugeriu que a estátua é de um túmulo pré-dinástico, ou então definitivamente ela é falsa.”






Se verdadeira, a estátua antecederiam as pirâmides, diz Epstein, tornando-o “um dos mais raros achados de sua espécie”. A estátua veio para a universidade em 1999 a partir da coleção de São Vicente e Diniacopoulos Olga, imigrantes gregos da França, que reuniram um grupo enorme de antiguidades do Mediterrâneo que estão em museus e coleções particulares em todo o mundo.

A escultura foi exibida na década de 1950 na Galerie Arts Classica em Montreal, mas manteve-se escondida por décadas, armazenada em fragmento em uma caixa selada. Pouco se sabe sobre onde e como a família Diniacopoulos adquiriu. Saqqara refere-se a um vasto cemitério na capital egípcia de Mênfis, mas não está claro como esta região se relaciona com a estátua. Nenhum especialista entre os muitos que Epstein consultou na última década conseguiu identificar a idade da escultura ou da tradição artística, nem conseguiram decifrar o escrito esculpido em sua parte traseira.

Epstein disse que a escultura pode ter vindo de uma tumba egípcias que representam “imagens dos vencidos” – pessoas escravizadas por um governante antigo. Sua teoria é que se trata de um local de enterro ou túmulo que remonta antes de os primeiros faraós subirem ao poder no Egito. “Eu acredito que é de 4.000 anos de idade ou mais e que o torna muito, muito raro de encontrar.”

“Um colecionador experiente e conhecedor como Vincent Diniacopoulos não teria comprado esta peça, nem enviá-lo a um grande custo para o Canadá, se não tivesse sido considerada autêntica”, escreveu Fiechter. A universidade restaurou a estátua e colocou-a em exposição pública, pela primeira vez esta semana na esperança de atrair a atenção internacional e eventualmente, novas idéias sobre suas origens.

A exposição de três dias e as imagens recém-publicado da estátua no site da universidade atraiu opiniões, perguntas e o interesse de arqueólogos, especialistas em arte e cultura, amadores e curiosos, diz Epstein. “Nós temos tido uma resposta considerável de todo o mundo”, concluiu.


Fonte: http://www.ctv.ca

Tags: ,
avatar

Sobre Administrador

Natural de Criciúma – SC, Graduado e Pós-Graduado em História pela UNIASSELVI – SC, com ênfase no Antigo Egito. Apaixonado pelos antigos egípcios e com planos de em breve estar definitivamente morando/trabalhando no Egito.