Início Notícias da Egiptologia Zahi Hawass recorda uma das suas primeiras visitas ao Vale dos Reis..

Zahi Hawass recorda uma das suas primeiras visitas ao Vale dos Reis..

54
0
COMPARTILHAR

Nos meus primeiros anos, eu estava sentado um dia na varanda do Hotel Sheikh Ali Abdel Rassoul Hotel na margem oeste de Luxor. Ao meu lado estava Sheikh Nagdy, Chefe-guarda dos monumentos. Esse foi o começo da minha vida na arqueologia. Eu disse a Sheikh Nagdy, “vem comigo para o Vale dos Reis.” Eu queria subir o vale e ir para o topo.

O Vale dos Reis é um lugar exclusivo de enterro. Foi escolhido pela rainha Hatshepsut (1.473-1.458 a.C), entre outros, como o local de seu túmulo. A tumba de Hatshepsut, conhecida como KV20, pode ser a mais antiga tumba real no vale e tem 210.32m de comprimento. Ela está cheia de morcegos, que, como você pode imaginar, torna desagradável e escorregadia para a exploração. Eu tentei entrar nela um dia e descobri depois que eu só tinha ido a poucos metros; tinha caído no chão! Eu tive que usar cordas para passar todo o caminho para a câmara de sepultamento, assim como Howard Carter (1.874-1.939) fez. No interior, Carter, que trabalhou no túmulo em 1903-04, encontrou dois sarcófagos – um para Hatshepsut, agora no Museu Egípcio, no Cairo, e outro para seu pai, Tutmósis I (1.504-1.492 a.C), agora no Museu de Belas Artes de Boston.


Zahi Hawass – Se tornou o maior egiptólogo da atualidade, iniciando através de um sonho..


Até agora, 63 tumbas foram encontradas no Vale dos Reis, mas apesar de seu nome, apenas 26 desses eram túmulos dos reis! O que é surpreendente sobre eles é que cada um é diferente do outro e eles foram considerados as casas dos reis para a sua vida futura. Os túmulos foram todos decorados com textos religiosos para ajudar o rei passar as várias barreiras e os testes que ele precisava para chegar ao submundo e viver lá para a eternidade. Um exemplo é o livro de Gates, que descreve 12 portões guardados por serpentes, que cada uma pediu ao rei uma pergunta que ele tinha que responder até que ele finalmente encontrou Osíris e se tornou um deus também.

Eu comecei a escalar a encosta do vale, com cuidado e depois de uma hora cheguei ao topo. Esta área é conhecida como al-Qurn, o ‘chifre’. Este pico tem a forma de uma pirâmide e marca a entrada do vale, e pode ser uma das razões por que este local foi escolhido pelos reis do Antigo Egito do Novo Império (1.550-1.070 a.C). Eles estavam cientes de como proteger túmulos importantes, eles queriam um lugar novo e oculto. A presença de al-Qurn significava que eles ainda poderiam ter túmulos sob a forma de uma pirâmide e continuar a tradição mais antiga.

Enquanto eu estava sentado com o vale abaixo de mim, eu adormeci. À meia-noite eu acordei com o som da voz de Sheikh Nagdy. Eu estava sonhando que um dia eu seria escavador no Vale dos Reis, pois, dos 63 túmulos que foram descobertos ali, nenhum deles foi encontrado por uma equipe egípcia. Naquela época, a última tumba que tinham sido descobertas havia sido a de Tutankhamon (1.336-1.327 a.C), por Howard Carter em 1922, mas o vale ainda contém muitos segredos, como os locais de descanso de Amenhotep I (1.525 -1.504 a.C), que alguns estudiosos acreditam que é debaixo do templo funerário de Hatshepsut em Deir el-Bahri, Tutmósis II (1.492-1.479 a.C) e Ramsés VIII (1.129-1.126 a.C). Algumas rainhas da 18ª Dinastia (1.550-1.295 a.C), foram enterradas no Vale dos Reis, também! Ao amanhecer levantei-me e subi de volta para o fundo do vale, sonhando que um dia eu iria descobrir um túmulo lá também.


Fonte: http://english.ahram.org.eg

DEIXE UMA RESPOSTA

*