Artefato egípcio pode ter sido o primeiro transferidor do mundo..

Em 1906, a tumba do antigo arquiteto Kha foi descoberta intacta, perto do Vale dos Reis. A tumba tinha vários objetos que teriam sido usados ​​pelo arquiteto, incluindo varas de côvado e um dispositivo de nivelamento que se assemelha a um esquadro moderno. Mas a tumba também continha um mistério: Uma forma estranha, um objeto oco de madeira com uma tampa articulada. Arqueólogos ficaram perplexos quanto à sua função. Há mais de 100 anos, o estranho objeto foi rotulado como algo que provavelmente tinha sido usado para prender mais de um instrumento de nivelamento ou uma escala de equilíbrio.

 

Objeto estranho encontrado na tumba de Kha

 

Mas agora uma física italiana sugeriu que o objeto seja o primeiro exemplar mundial de um transferidor. Amelia Sparavigna é física na Politécnica de Turim. Com base em números codificados nas inscrições da superfície do objeto egípcio, Sparavigna acredita que poderia ter sido usado para determinar a inclinação de certos ângulos. Os números se assemelham a uma bússola, com 16 pétalas espaçadas cercadas por uma forma circular em ziguezague, com 36 cantos. Quando o lado direito do objeto é colocado em um ângulo, Sparavigna acredita que um fio de prumo iria mostrar sua inclinação no mostrador circular.

O que sabemos sobre os egípcios acrescenta algumas coisas na teoria de Sparavigna. A fração de um sexto é usado em um sistema de cálculo que os egípcios tinham conhecimento. Os egípcios também conheciam 36 grupos de estrelas chamados de decanos, que mais tarde foram usados ​​para formar a base de um relógio estelar. A partir daí, Sparavigna acreditava que o objeto era um transferidor que tinha duas escalas, uma com base em frações egípcias e outra baseado em decanos.

No entanto, onde a história egípcia fornece algum suporte para Sparavigna, ela também oferece uma crítica. Kate Spence, uma especialista em arquitetura egípcia na Universidade de Cambridge acredita que o objeto nada mais é do que algo decorativo. Um dos aspectos mais fascinantes sobre os egípcios era como eles foram matematicamente precisos em suas construções. Instrumentos de medição utilizados pelos egípcios tinham sempre muita precisão e já o objeto da tumba de Kha nem tanto. De acordo com Spence as inscrições numéricas não são tão precisas como seriam em ferramentas típicas egípcias.

 

Fonte: http://www.geekosystem.com/worlds-first-protractor/

avatar

Sobre Administrador

Natural de Criciúma – SC, Graduado e Pós-Graduado em História pela UNIASSELVI – SC, com ênfase no Antigo Egito. Apaixonado pelos antigos egípcios e com planos de em breve estar definitivamente morando/trabalhando no Egito.