Textos das Pirâmides

Muito é dito sobre os “Textos das Pirâmides” quando se estuda o Antigo Egito, mas poucos desses textos estão disponíveis na internet para estudiosos e/ou apaixonados pela cultura dos antigos egípcios. Os Textos das Pirâmides são um repertório de orações, feitiços, crenças religiosas e parte da cosmologia antiga registrados em passagens, câmaras e antecâmaras nas pirâmides do Antigo Reino a fim de ajudar o Faraó a garantir a sua vida eterna. Eles são uma coleção de textos, sem ordem aparente, usados durante a cerimônia fúnebre.

Esses textos são os mais antigos textos religiosos conhecidos no Egito. Foram escritos durante as dinastias V a VIII. Os mais antigos foram descobertos na pirâmide de Unas, último rei da V dinastia. Também foram encontrados nas pirâmides de Teti, Pepi I, Merenre, Pepi II, Kakara Ibi e das esposas de Pepi II, todos na necrópole de Saqqara. Com a evolução dos “Textos das Pirâmides” criaram-se os “Textos dos sarcófagos”, que durante o Primeiro Período Intermediário do Egito começaram a ser escritos nos sarcófagos dos nobres. No Reino Médio são de dois tipos: pessoais (que narram a vida do falecido) ou jurídicos (descrevendo o legado de sua propriedade). Com a evolução dos pensamentos egípcios, a imortalidade passou a não ser mais um privilégio exclusivo do Faraó; já era possível para as classes mais altas ter esse mesmo privilégio. Durante o Império Novo começou-se a escrever em papiros que eram depositados no interior dos sarcófagos, dando origem ao chamado Livro dos Mortos, que descreve o que deve ser feito com o espírito do falecido para alcançar a vida eterna.


Restos da pirâmide de Unas, onde foram encontrados os primeiros textos religiosos - Acervo pessoal.

Restos da pirâmide de Unas, onde foram encontrados os primeiros textos religiosos – Acervo pessoal.


Os relatos trazem teorias da criação, várias lendas e textos sobre ressurreição ou a identificação com os deuses. Quando foram escritos, os textos deviam ser muito conhecidos, pelo menos nos círculos religiosos, e por isso é muito possível que tenham sido escritos em outros monumentos que não chegaram até nós, muito antes mesmo dos registrados na pirâmide de Unas. Esta, onde os primeiros textos foram escritos, consiste inteiramente de 228 declarações, número que mais tarde, com outros textos das pirâmides, chegou a ser três vezes maior. Os textos foram descobertos em 1881 por Gaston Maspero e compilados por alguns estudiosos como Samuel AB Mercer, Kurt Heinrich Sethe, Sleepers Louis, entre outros. A compilação feita por Samuel Mercer está disponível no site www.sacred-texts.com (em Inglês) e posteriormente será traduzida por nós para o português. Há também outro site que mostra fotos do interior das pirâmides em hieróglifos juntamente com a tradução em inglês dos textos: www.pyramidtextsonline.com.



Sarcófago na pirâmide do faraó Teti em Saqqara - Acervo pessoal.

Sarcófago na pirâmide do faraó Teti em Saqqara – Acervo pessoal.


Há sempre uma variação de traduções entre um estudioso e outro, que acaba por seguir o lado da interpretação de cada um. Esperamos que todos que possam ler esses textos façam uma avaliação mais minuciosa dos links citados acima e quem sabe até mesmo debatam sobre tais declarações dos Textos das Pirâmides.


Quer mais livros sobre o tema? Clique aqui.

Artigos, teses e matérias sobre o antigo Egito? Clique aqui.

 

Autor: Lucas Ferreira




Fontes / Referências:

– BAINES, John; MALIK, Jaromir. Cultural Atlas of Ancient Egypt. London: Andromeda Oxford Limited, 2008.

– BUDGE, Wallis. Osiris, The egyptian religion of resurrection. Publisher: University Books, 1961.

– SHAW, Ian. The Oxford Illustrated History of Ancient Egypt. Oxford: Oxford University Press, 2000.

Sites / Referências:

http://www.reshafim.org.il/ad/egypt/

http://www.oxfordexpeditiontoegypt.com/

avatar

Sobre Administrador

Natural de Criciúma – SC, Graduado e Pós-Graduado em História pela UNIASSELVI – SC, com ênfase no Antigo Egito. Apaixonado pelos antigos egípcios e com planos de em breve estar definitivamente morando/trabalhando no Egito.